Mario Cunha, Músico, Professor, Comendador, Palestrante e Diretor | 05/2010 – Estudantes e profissionais se unem para prestigiar ícones do jazz mundial
445
post-template-default,single,single-post,postid-445,single-format-standard,edgt-core-1.2,ajax_fade,page_not_loaded,,vigor-ver-1.12, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
 

05/2010 – Estudantes e profissionais se unem para prestigiar ícones do jazz mundial

05/2010 – Estudantes e profissionais se unem para prestigiar ícones do jazz mundial

Estudantes e profissionais se unem para prestigiar ícones do jazz mundial

 

Em sua passagem pelo Brasil, o baixista Dave Holland e o saxofonista Chris Potter encantam o público em workshop exclusivo no SL Music Hall

Por: Paula Witchert
Colaboração: Carlos Ezequiel

Pouco após o horário marcado e com auditório lotado, os consagrados Dave Holland e Chris Potter iniciaram o workshop com a música “Pass it on” (Dave Holland), seguida por “Hieroglyph” (Chris Potter).

Encantados com a sonoridade e performance única dos músicos, os presentes aproveitaram o imenso conhecimento dos artistas com uma avalanche de perguntas, sob a tradução do baterista e professor Carlos Ezequiel,  fazendo do evento uma experiência interessante e produtiva.

Dentre elas, questões sobre a origem do interesse dos músicos pelo instrumento, momento em que Holland cita que, no seu caso, iniciou após ouvir um disco em que o baixista Ray Brown tocava.

Outra abordagem importante foi a declaração de Potter, “os músicos jovens não devem se preocupar em ter a sua própria identidade,  isso é algo que surge naturalmente, e é extremamente positivo eles tentarem copiar a sonoridade de seus ídolos. Eventualmente, essa influência se transforma numa linguagem própria”. Além disso, ambos também falaram sobre a importância na prática musical auditiva, através da experiência de tocar junto com CDs.

Holland ainda destacou o fato de que todo músico precisa lembrar a importância de ouvir os outros instrumentistas com quem toca: “para um grupo soar junto, todos precisam se ouvir e contribuir de forma coletiva”. – afirma.

Para encerrar o evento, “Segment” (Charlie Parker), que se fez de uma forma brilhante, mostrando a intensa criatividade, experiência e inteligência dos músicos na arte da improvisação, além de um belíssimo duelo de instrumentos que levou o público ao êxtase.

Informações à imprensa:
Paula Witchert
paula@souzalima.com.br
11 3884-9149 r. 211
11 6700-0728